Minicursos

1) MÉTODOS DE INVENTÁRIO FLORÍSTICO E FITOSSOCIOLÓGICO APLICADOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL

 (8 horas) 20 vagas

Proponente:

José Hugo Campos Ribeiro

Kelly Antunes

Ementa: Conhecer e entender a diversidade de espécies vegetais em uma localidade é um passo muito importante, tanto em pesquisas acadêmicas como em diversos projetos de conservação, recuperação de áreas degradadas e consultoria ambiental.  Neste curso, vamos discutir os principais conceitos e técnicas de inventário florístico e fitossociológico com as aplicabilidades em diversos tipos de relatórios ambientais, métodos de amostragem, métodos de identificação, aprender a construir e interpretar as tabelas fitossociológicas.

 

2) INTRODUÇÃO À PALINOLOGIA”

(8 horas) 15 vagas

 Proponentes:

Marcella de A. Passarella

Juliana da C. Silva e Costa

Ementa: O minicurso “Introdução à Palinologia ” visa apresentar os principais conceitos e técnicas palinológicas utilizadas para o estudo de esporos e grãos de pólen. Este minicurso será dividido em dois momentos: parte teórica e parte prática. Os tópicos trabalhados na parte teórica serão: (1) conceitos básicos de palinologia; (2) histórico da palinologia; (3) aplicações da palinologia; (4) morfologia de esporos e grãos de pólen; (5) Terminologia palinológica utilizada; (6) principais técnicas palinológicas – Preparação direta e Acetólise e (7) Estudo Morfométrico dos esporos e grãos de pólen. Na parte prática serão trabalhados os seguintes tópicos: (1) Observação de dos esporos e grãos de pólen em preparação direta; (2) Observação dos esporos e grãos de pólen acetolisados e (3) Preparação dos esporos e grãos de pólens pelo método de Preparação Direta.

Observação: Para a prática, recomendamos o uso de jaleco para os inscritos.

 

3) ECOLOGIA DE EPÍFITAS VASCULARES

(8 horas) – 20 vagas

Proponentes:

Samyra Furtado

Daniel Elias Ferreira Barbosa

Ementa: Conceitos e metodologias no estudo de comunidades vegetais, com ênfase em epífitas. Aspectos amplos da ecologia desse grupo, incluindo linhas de pesquisa recentes. Biogeografia a nível global e nacional e pontos relevantes sobre a conservação. Programação: a) Conceituação; b) Efeitos da redução de habitats e fragmentação; c) Corredores: Estrutura, função e efetividade; d) Tipos de corredores ecológicos; e) Desenho amostral para corredores; f) Corredores ecológicos e a conservação da biodiversidade: Estado da arte (Brasil/Mundo); g) Conectividade dos ecossistemas – Boas práticas.

 

4) INTRODUÇÃO A EDIFICAÇÃO DE CORREDORES ECOLOGICOS

(4 horas) – 20 vagas

Proponente: Braz Cosenza

Ementa: Aprofundamento de aspectos teóricos relacionados aos diversos tópicos referentes aos Corredores Ecológicos. Demonstrar a viabilidade (ou não) dos Corredores Ecológicos para a conservação da biodiversidade.

 

5)  BIOGEOGRAFIA APLICADA À CONSERVAÇÃO

(8 HORAS) – 20 VAGAS

Proponente: Luis Menini Neto

Ementa: Obtenção, edição e curadoria de dados de distribuição geográfica disponíveis em bancos de dados informatizados. Utilização de programas de Sistema de Informação Geográfica (SIG) na biogeografia da conservação. Aplicação de ferramentas e metodologias da biogeografia (Análise de Parcimônia de Endemismo, NDM-VNDM, Análise de Traços) na análise de ameaças e conservação da biodiversidade. Possíveis aplicações da Modelagem de Distribuição Potencial no estudo da conservação.

OBS: TRAZER NOTEBOOK (CASO O ALUNO NÃO TENHA, SERÁ PROVIDENCIADO COMPUTADOR)

 

6) PLANTAS NATIVAS DO CERRADO: ANATOMIA E SÍTIOS DE ACÚMULO DE ALUMÍNIO (TEÓRICO-PRÁTICO)

(8 horas) – 15 vagas

Aristea Alves Azevedo
Larisse de Freitas Silva

Ementa: Fatores de estresse no cerrado. Adaptações morfoanatômicas: xeromorfismo x escleromorfismo. Plantas acumuladoras e não acumuladoras de alumínio ( Al). Técnicas de detecção dos sítios de acúmulo de Al, em especial histolocalização.

 

7) MINI CURSO 7- INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE DADOS EM ECOLOGIA UTILIZANDO O SISTEMA R

(08 horas) 15 vagas

Proponente: Fábio Antônio Ribeiro Matos

Ementa: Um dos passos mais importantes para o desenvolvimento da ciência moderna foi a introdução do pensamento quantitativo. A partir dele, foi possível criar modelos capazes de fazer predições sobre os fenômenos naturais, assim como a confrontação destas predições com dados empíricos. Apesar da grande aplicabilidade do pensamento quantitativo na área das ciências naturais, a análise quantitativa de dados em ecologia provoca temor entre alunos de todos os níveis de ensino. Possivelmente, o grande temor dos alunos ao desenvolvimento de análise de dados em ecologia se deva ao fato de grande parte das disciplinas dos cursos de graduação em ciências biológicas estarem baseadas em um contexto puramente estatístico e com a utilização de exemplos não biológicos. Assim, este mini-curso não tem por objetivo ser um manual completo para a análise de dados em ecologia e sim, introduzir de maneira prática e intuitiva técnicas de análise univariada, bivariada e multivariada em estudos de ecologia de comunidades utilizando o sistema R

Exigências ao curso: Computador com o programa R e RStudio instalados e acesso a internet. (TRAZER NOTEBOOK, CASO O ALUNO NÃO TENHA, SERÁ PROVIDENCIADO COMPUTADOR)

 

Requisitos para Inscrição: Alunos em fase final do curso de graduação, alunos de iniciação científica, bem como profissionais cursando Pós-graduação.