Contraste |
| |

    24º Seminário P&E | Cápsula do tempo, palestras e outras atividades marcam primeiro dia do evento

    Bruno Bueno e Pedro Lucas 

    Bolsistas PAEx 07/2022 | Multimídia – Agência Laboratório de Jornalismo

    Orientação: professora Daniela Martins Barbosa Couto

    Fotos: Multimídia – Agência Laboratório de Jornalismo e Asessoria de Comunicação da UEMG Divinópolis

     

    Começou nessa terça-feira (22) o 24º Seminário de Pesquisa e Extensão da UEMG. Na Unidade Divinópolis, o dia foi marcado por apresentações de banners, comunicações orais, palestras, intervenções e atividades culturais. Durante a semana, diversas atividades serão realizadas por pesquisadores e extensionistas, professores e estudantes, tanto aqueles que desenvolvem os trabalhos com recursos de editais de fomento, como o PAEx e o PAPq, quanto de forma voluntário, como no Proinpe

    A diretora da UEMG Unidade Divinópolis, Ana Paula Martins Fonseca, destacou a importância dos projetos e a retomada das apresentações presenciais após a pandemia: “É muito gratificante ver toda a comunidade acadêmica envolvida e, melhor ainda, com esse calor humano. Isso é muito importante para a universidade”.

     

    Saúde, ética e comunicação oral: em foco, pesquisas e práticas

    Alunas do 8º período do curso de Fisioterapia realizaram uma exposição no período da manhã sobre as práticas de ensino do curso. O evento apresentou os diversos segmentos da profissão: “Explicamos um pouco sobre as diversas áreas de atuação. Tem uma parte que foca na fisioterapia respiratória e, outra, nos recursos e as áreas de abordagem”, explica a discente do curso e uma das coordenadoras do projeto, Júlia Diniz. 

    Já o funcionamento e a importância da ética nas pesquisas acadêmicas foi o principal tema da palestra realizada pela professora e coordenadora do Comitê de Ética em Pesquisa da UEMG Divinópolis, Silmara Nunes. “Foi uma oportunidade para o pessoal entender o funcionamento, tirar dúvidas sobre projetos e muito mais. Toda pesquisa que envolve humanos de forma indireta ou direta precisa passar pelo comitê”, explica.

    À tarde, sessões de comunicação oral com pesquisadores que possuem Bolsa de Professor Orientador (BPO) também foram realizadas. Uma das apresentações foi a da pesquisa feita pelo vice-diretor da Unidade e professor de Psicologia, André Amorim Martins, sobre saúde mental em Divinópolis. “Nosso objetivo é avaliar se o serviço tem exercido sua efetividade, identificar as principais doenças prevalentes no município e apontar melhorias que podem ser realizadas”, explicou.

     

    Ações para o futuro: aprendizagens e intervenções em pauta

    Na parte da manhã, a atividade “Academia: espaço de diversidade que propicia a aprendizagem”, ministrada pela graduada em Serviço Social e referência em Saúde Ocupacional no município, Rafaela Santos Silva, reuniu diversos estudantes. Ela conta que o projeto promoveu a interação entre os alunos com uma atividade diferente e dinâmica. “A faculdade precisa ser propositiva. O aluno precisa de um certo protagonismo. Então, a partir do momento que ele sai daquele papel de somente aprender e vai para aquele que vai construir, ele cresce muito”, afirma.

    Também no período matutino, os alunos participaram da inauguração das obras da Horta Universitária, na Unidade. O coordenador do curso de Engenharia Agronômica, Alysson Rodrigo Fonseca, conta que o nome veio no sentido de inclusão. “Apesar de ter sido ideia do curso, ela será importante para muitos outros”, relata.

                                              

    Logo após, foram feitos o plantio de uma muda de ipê-amarelo e o enterro de uma cápsula do tempo, contendo cartas escritas por alunos que serão abertas daqui a uma década. Alysson explica que o ipê foi escolhido por ser um “símbolo do cerrado”. Sobre a cápsula do tempo, ele observa que "o objetivo é que, daqui a 10 anos, seja realizado um evento com abertura das cartas feitas pelos alunos, contando quem são eles hoje e seus anseios”, complementa.

     

    Pesquisas em exposição: apresentações de banners se iniciam

    Bolsistas de iniciação científica realizaram apresentações de banners, destacando os processos e resultados das pesquisas desenvolvidas. As atividades abrangeram manhã, tarde e noite, em sessões sobre "Educação de Qualidade", "Redução das Desigualdades", "Trabalho Docente e Crescimento Econômico", "Indústria, Inovação e Infraestrutura" e "Saúde e Bem-Estar".

    Um dos trabalhos apresentados na sessão de “Educação de Qualidade” foi o da estudante do curso de Educação Física Júlia Pardini, que participou do projeto sobre a acessibilidade durante o ensino remoto emergencial na UEMG Divinópolis. “Quando a gente fala sobre pessoas com deficiência, a gente pensa em incluir para que eles tenham acesso à informação”, explica. 

    Na sessão "Trabalho Docente e Crescimento Econômico", a graduanda em Psicologia Gabriela Maria Vieira apresentou sua pesquisa sobre o trabalho doméstico remunerado no período da quarentena e a exploração do trabalhador. “O objetivo é falar sobre o 'quase da família' e como esse fenômeno é muito recorrente para se referir às trabalhadoras”, explica. 


      

    Já a aluna do curso de Letras Mariângela Luiza apresentou um projeto sobre a relação de um novo conjunto de verbos a partir de um estudo sobre a linguagem jornalística. Ela destaca a importância do trabalho para a área acadêmica e profissional. "Na academia, é um treinamento para o TCC [Trabalho de Conclusão de Curso]. A iniciação científica é muito importante para a vida profissional. Eu, por exemplo, quero fazer mestrado. Já é uma porta que se abre para mim”, conta.

    O professor do curso de Jornalismo Carlos Sanchotene foi um dos avaliadores dos banners e considera que o evento proporciona importantes trocas. “É o momento único de sociabilidade, onde expomos nossas pesquisas, nosso conhecimento, e é de extrema relevância para o ambiente acadêmico”, avalia. 

     

    Cultura, sons, imagens: conhecimento que se compartilha

    Atividades culturais também fizeram parte do primeiro dia de Seminário. A reprodução de podcasts no ponto de ônibus da Unidade foi destaque na parte da manhã. Entre eles, estavam o  “EpiDIP”, sobre curiosidades da epidemiologia; “Religião se discute”, vinculado ao curso de Jornalismo; e “Informa Onco”, sobre oncologia.

    Além disso, dois documentários exibidos durante a programação cultural e produzidos por alunos e professores já estão disponíveis nas plataformas digitais. O “Pare, olhe e escute” fala sobre a história e o crescimento de Divinópolis sob o olhar das antigas ferrovias e oficinas que ainda funcionam no município. O curta-metragem surgiu com a ideia de mostrar o cotidiano dos trabalhadores das cancelas instaladas nas encruzilhadas da área férrea da cidade. Já o documentário “Memória no Ponto, chegadas e partidas: lugar de memória em documentário” mostra a relação entre indivíduos e espaços, especialmente o ponto de ônibus dentro do campus. 

     À tarde, houve apresentação cultural com repertório da MPB com a cantora Ana Andrade. E as atrações culturais não param por aqui. Aberta hoje, a exposição “Vem que é dia de festa” ficará disponível para visitação no saguão do bloco 5 da Unidade até sexta-feira (25). Realizada pelo Centro de Memória Professora Batistina Corgozinho (Cemud), a produção já atraiu a atenção de várias pessoas. A ação conta a história da festa de reinado em Bom Despacho por meio de diálogos e imagens.

     

    Programação

    O evento, como destaca a diretora da UEMG Divinópolis, é aberto ao público. “Todos os estudantes e demais membros da sociedade estão convidados. Inclusive, alunos do ensino médio que desejem conhecer a universidade podem vir”, reforça Ana Paula Martins. 

    A programação das atividades da Unidade Divinópolis no 24º Seminário de Pesquisa e Extensão está disponível aqui.

    Confira o vídeo de abertura do 24º Seminário de Pesquisa e Extensão da UEMG: youtube.com/watch?v=TFntaEHJNPs

     

    © 2023 UEMG